Criadores de Avatar deixam a produção do live-action da Netflix

Michael Dante DiMartino e Bryan Konietzko, os co-criadores e showrunners de Avatar: a Lenda de Aang e A Lenda de Korra, deixaram seus cargos como produtores executivos e showrunners da adaptação live-action de Avatar na Netflix, e não terá nenhum envolvimento com isso daqui para frente.

Eles trabalharam por aproximadamente dois anos, desde o anúncio original em setembro de 2018.

Nas redes sociais, os dois se pronunciaram. A Netflix também liberou uma nota para a imprensa. Confira a seguir.


Bryan:

“Antes de chegar ao cerne desta declaração, gostaria de deixar claro que estou muito ciente e aprecio o fato de que estou em uma posição extremamente afortunada, e que as seguintes questões são de fato bons problemas para se ter – mesmo ainda mais agora que estamos nas garras de uma pandemia global e uma economia de crateras que deixou milhões de desempregados. Com esse contexto crucial, aqui estão as grandes notícias do meu pequeno mundo.

Michael DiMartino e eu recentemente decidimos deixar a adaptação live-action da Netflix de Avatar: a Lenda de Aang, a série que ele e eu criamos juntos em 2002. Não teremos nenhum envolvimento no projeto daqui para frente.

Esta é provavelmente a decisão mais difícil que já tomei. Mas não tenho dúvidas de que foi a escolha absolutamente certa. Quando a Netflix me trouxe a bordo para executar esta série ao lado de Mike, dois anos atrás, eles fizeram uma promessa pública de apoiar nossa visão. Infelizmente, não houve cumprimento dessa promessa. Embora eu tenha trabalhado com alguns grandes indivíduos, tanto do lado da Netflix quanto de nossa pequena equipe de desenvolvimento, o tratamento geral do projeto criou o que eu considerava um ambiente negativo e sem suporte.

Para ser claro, essa não foi uma simples questão de não conseguirmos o que queríamos. Mike e eu somos pessoas colaborativas; não precisávamos que todas as ideias viessem de nós. Contanto que sentíssemos que essas ideias estavam alinhadas com o espírito e integridade do Avatar, nós as teríamos alegremente abraçado.

No entanto, acabamos por acreditar que não seríamos capazes de orientar de forma significativa a direção da série.

Embora eu esteja profundamente desapontado com o resultado, há pessoas maravilhosamente talentosas que ainda estão trabalhando na série, algumas das quais Mike e eu contratamos pessoalmente e conhecemos bem durante nosso tempo no projeto. Trabalhamos muito juntos em prol de um sonho compartilhado de como essa adaptação poderia ser especial. Quero vê-los empregados e espero que tenham a chance de fazer seu melhor trabalho na série. Talvez a equipe que resta ainda seja capaz de fazer algo que os fãs do original e um público totalmente novo possam desfrutar.

De modo geral, tenho uma carreira incrivelmente encantadora e sou muito grato por isso. E eu tenho muita sorte pela incrível comunidade global de fãs que cresceu em torno dos programas que Mike e eu criamos e dirigimos juntos. Continuarei profundamente envolvido no universo Avatar, contando as histórias que meu parceiro e eu queremos contar da maneira que queremos contá-las. Colocarei meu tempo, energia e talento nos projetos que mais me realizem [sic] e onde recebam confiança e respeito.

A vida é muito curta para fazer o contrário.”

Esta também foi sua legenda no Instagram:

“Bem, amigos… aí está. Tenho certeza de que muitos de vocês, compreensivelmente, quererão saber mais e me farão perguntas nos comentários, aqui e nas postagens subsequentes e nas transmissões ao vivo e nos encontros pessoais e em qualquer outro lugar ad infinitum. Eu gostaria de poder explicar as coisas em mais detalhes, mas a declaração acima é realmente tudo que posso dizer sobre o assunto, então não responderei a nenhuma delas. […] Obrigado do fundo do meu coração a todos os fãs de Avatar: a Lenda de Aang, e eu sinto muito que nosso envolvimento no projeto live-action não funcionou. É hora de continuar com minha vida. Para frente e para cima.”

(do seu instagram)

Mike:

“Muitos de vocês têm me pedido atualizações sobre a série Avatar live-action da Netflix. Posso finalmente dizer que não estou mais envolvido com o projeto. Em junho deste ano, após dois anos de trabalho de desenvolvimento, Bryan Konietzko e eu tomamos a difícil decisão de deixar a produção.

Quando Bryan e eu assinamos o projeto em 2018, fomos contratados como produtores executivos e showrunners. Em um anúncio conjunto para a série, a Netflix disse que estava comprometida em honrar nossa visão para esta nova versão e nos apoiar na criação da série. E expressamos como estávamos entusiasmados com a oportunidade de estar no comando. Infelizmente, as coisas não correram como esperávamos.

Olha, coisas acontecem. As produções são desafiadoras. Surgem eventos imprevistos. Os planos precisam mudar. E quando essas coisas acontecem em outros momentos da minha carreira, tento ser como um Air Nomad e me adaptar. Eu faço o meu melhor para seguir o fluxo, não importa que obstáculo seja colocado no meu caminho. Mas mesmo um Nomad Aéreo sabe quando é hora de cortar suas perdas e seguir em frente.

Comecei a reavaliar o que é realmente importante na minha vida e o que eu queria fazer com o que sobrou dela. Segui alguns conselhos do tio Iroh. Olhei para dentro e comecei a me perguntar a grande questão: “Quem é você e o que você quer?”

Eu também busquei sabedoria de filósofos estóicos que eram grandes em diferenciar entre o que está sob nosso controle e o que não está. Percebi que não conseguia controlar a direção criativa da série, mas conseguia controlar como respondia. Então, optei por sair do projeto. Foi a decisão profissional mais difícil que já tive que tomar, e certamente não uma que tomei de ânimo leve, mas foi necessária para minha felicidade e integridade criativa.

E quem sabe? A adaptação live-action do Avatar da Netflix tem potencial para ser boa. Pode acabar sendo um show que muitos de vocês vão gostar. Mas o que posso ter certeza é que, qualquer que seja a versão que apareça na tela, não será o que Bryan e eu tínhamos imaginado ou pretendíamos fazer.

Também quero deixar claro que isso não significa o fim do meu envolvimento no universo Avatar. Essas histórias e personagens são importantes para mim e o renovado interesse e empolgação em Avatar e Korra tem sido inspirador de ver.

Escrever esta carta deixou-me com o coração muito pesado. Sei que muitos de vocês ficarão desapontados e frustrados com esta notícia. Entendo. Compartilho sua decepção e frustração. Também reconheço que esse revés criativo é pequeno em comparação com os problemas que todos enfrentamos como sociedade agora.

Felizmente, Iroh ofereceu alguma sabedoria sobre isso também: “Às vezes, a vida é como um túnel escuro. Você nem sempre pode ver a luz no fim do túnel, mas se você apenas continuar se movendo, você chegará a um lugar melhor.”

Que todos possamos seguir em frente e chegar a um lugar melhor.

Obrigado por ler e por seu entusiasmo contínuo pelo universo Avatar.”

(de seu instagram e site)

Netflix:

Temos total respeito e admiração por Michael e Bryan e pela história que eles criaram na série de animação Avatar. Embora tenham optado por abandonar o projeto live action, estamos confiantes na equipe de criação e em sua adaptação.


(via Avatar News)

Eduardo Guerra

Formado em Comunicação Multimídia, atualmente trabalha com criação de conteúdo para a Internet. No Mundo Avatar desde 2007, gerencia as equipes do site e do Youtube.

Conteúdo relacionado

Rumor: Momona Tamada deve ser Azula em live-action de Avatar

SPIN produzirá efeitos visuais no live-action de Avatar

Azula é escalada para 1ª temporada do live-action de Avatar

Dallas Liu diz que “será uma honra” interpretar Zuko nas telas